Artur Azevedo

(7 July 1855 - 22 October 1908 / Maranhão)

Uma Observaçao - Poem by Artur Azevedo

A moça está sentada. O moço amado
Para uma contradança vai "tirá-la":
— Dá-me a honra?" — Pois não- E pela sala
Eil-os a passear de braço dado.

De amor quanto protesto alambicado
Daqueles meigos corações se exala,
Te que as palmas batendo o mestre-sala,
Toma lugar o par apaixonado!

Começa a dança. A mão do moço, esperta,
Bole, mexe, comprime, apalpa, aperta,
Durante uns turbulentos balances,

E uma senhora, que não é criança,
Sentada a um canto observa que na dança
Hoje trabalham mais as mãos que os pés.


Comments about Uma Observaçao by Artur Azevedo

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Monday, June 4, 2012

Poem Edited: Monday, June 4, 2012


[Hata Bildir]